assint luana

11083896_851578238251835_5475358685311436966_n

O esmalte diz muito sobre o humor da pessoa que usa, será?! Talvez, mas de fato muitas mulheres adoram trocar a cor da unha, assim como mudar o cabelo ou a roupa, a fim de sentir-se bem ou melhorar o humor, dar ênfase para o momento que está vivendo, etc. Mas, vale lembrar que o estado de espírito deve melhorar de dentro para fora, né. Então, esse ano fiquei dois meses sem fazer a cutícula das unhas e sem pintá-las, somente cortando e lixando, como os homens (que praticidade). Fase em que as unhas respiraram livremente, naturalista como uma amiga comentou (!). Foi uma experiência ótima, libertadora, reflexiva, por mais boba que pareça. Ao tirar a cutícula novamente, doeu muito, e pensei em como realmente não “fomos feitos” para podar certas partes do nosso corpo, é puro hábito cultural.
impala-romanticFalando em humor, encontrei uma cor de esmalte que ficou linda, azul marinho elegante e poderoso, da Impala, a cor se chama Para Sempre (do meio na foto acima). Aproveitando o momento, brinquei que a escolha é também porque está difícil comprar Risqué, devido a última coleção que a marca fez com o título Homens que Amamos, com exemplos de atitudes simples dos homens que abalou o humor de muita gente, como na foto abaixo:

coleçao risque

 

Ok, a coleção Impala está sem gracinha, mas também não repercutiu negativamente como a Risqué. Para quem ainda está por fora do assunto, foi lançada uma coleção de gosto duvidoso, que gerou uma grande polêmica no meio virtual, dentre as mulheres, algumas feministas ficaram indignadas e furiosas hahah, mas o motivo é compreensível, no mínimo a gente olha e diz, “que amamos o que?!”. Pois, as atitudes que dão nome aos esmaltes não dizem nada sobre os homens que amamos, posso fazer dessa crítica minhas palavras. O mundo não vai acabar, mas é preciso reforçar que homens são e devem ser muito mais do que isso, a marca pisou na bola e agora tá difícil não torcer o nariz pra ela na prateleira da farmácia.

Um exemplo de como a Risqué poderia ter explorado MUITO melhor o “o assunto nº 1 das nossas conversas” (há controvérsias) é com atitudes mais relevantes de homens, como os que cuidam dos filhos, dividem as tarefas domésticas, respeitam as mulheres na rua com olhares e palavras, defendem as mulheres quando surge papo machista na roda de amigos, lutam pelo ideal dos gêneros terem direitos iguais e sabe que não existe papel de homem e papel de mulher na sociedade. Atitudes, que aliás, nem deveriam ser motivo de relevância ou diferenciação, mas ainda são. Outro exemplo que a Risqué poderia ter seguido, é a divertida e inspiradora releitura da coleção, criada pela page Não Me Kahlo,  Mulheres Fodas (foto abaixo), que enfatiza o poder da mulher, tema que seria bem mais coerente com a imagem da marca. 

coleção risque - nao me kahlo


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *